Somente a Escritura – Parte 1

2 Timóteo 4.1-5

Na escola dominical aprendemos que a carta de Paulo a Timóteo foi endereçada a um “jovem pastor”. Esse conceito monótono nos faz perder de vista o verdadeiro valor dessa carta para a saúde espiritual de toda a igreja. Isso por que o seu ensino determina o que é ser líder na igreja cristã e o que isso significa para toda a comunidade, não apenas para líderes cristãos.

Nesta carta Paulo encoraja a Timóteo e enfatiza a necessidade de fundamentar sua vida e ministério na Escritura, que podem torná-lo “sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus” (ler o resumo das cartas em 1 Tm 4.16). Em breve o apóstolo Paulo teria que partir, então a confiança de Timóteo na Escritura se tornaria ainda mais essencial (vs.14,15). Era um processo de formação de uma nova liderança, já que a geração apostólica em breve passaria. Dessa forma, o apóstolo não esta passando um cargo, uma função, ou uma posição a Timóteo. Ele está passando um espírito, uma forma de discernir as coisas, pensar, julgar, falar e agir. Portanto, Paulo está transferindo a Timóteo a única maneira cristã de ser líder na igreja de Deus: sendo modelo (Mc 10.42-45; Fp 3.17; 1 Tm 1.16; 4.12; Tt 2.7; 1 Pe 5.3), como Jesus ensinou que é no seu reino. No reino de Jesus não há espaço para hierarquias baseadas em privilégios, ascendência, importância, influência ou dominação (Mt 23.8-12). Para ser líder tem que ser modelo. Não sendo assim, não representa o reino.

Tendo compreendido basicamente o que é ser líder segundo o modelo de Jesus, Paulo expõe os perigos e desafios que Timóteo terá que enfrentar sozinho e faz uma afirmação e convocação solene (4.1): “Diante de Deus, diante de Cristo, pela sua segunda vinda e pela consumação do seu reino” e então apresenta mandamentos solenes (v.2): pregue a palavra, esteja pronto, corrija, repreenda, exorte. A forma de fazer é “com toda paciência e ensino”, não com ameaças, desonestidades, chantagens, manipulações, enganos, fraudulência, arrogância, ira, desprezo ou qualquer atitude infiel.

A solenidade e urgência do apóstolo se dão por conta de tempos difíceis se aproximando. Por isso, seus mandamentos têm em vista problemas sérios. Todo estes estão relacionados ao abandono da suficiência da Escritura (vs. 3,4). Seguem:

a) Não suportarão a sã doutrina. A palavra “suportar” aqui tem o significado de “carregar, manter firme ou ereto”, com o sentido de que haverá um tempo em que aqueles que estão no meio cristão terão vidas que destoam da prática do evangelho. Não carregarão em si o bom ensino segundo Jesus. A sã doutrina não é um texto, um documento ou uma bula: é um caráter espiritual, uma prática de vida livre da contaminação do erro.

b) Cobiçarão ouvir o que querem. Paulo expoe que essas pessoas “amontoarão” mestres apenas para ouvir o que gostam de ouvir, não por que isto lhe fará diferença (veja Ez 33.31,32).
c) se afastarão de ouvir a verdade;
d) se desviarão da verdade e virarão rumo as fabulas. A palavra aqui é “mitos”. São discursos ou estórias inventadas com o fim de entreter os ouvintes. São narrativas desprovidas da verdade salvadora da Palavra de Deus.

Diante dessa iminente situação, Paulo aconselha Timóteo a 1) um proceder sóbrio (v.5). Ou seja, a não se deixar “embriagar” com os falsos ensinos, a estar no seu mais perfeito juízo e equilíbrio. A tentação aqui é se tornar como um dos mestres anteriormente mencionados que usam o discurso pelo discurso para atrair pessoas com palavras que encantam e satisfazem os ouvintes. Se fosse em nossos dias, Paulo certamente diria para Timóteo ter cuidado com os bispos, profetas, apóstolos e “coaches” que seduzem as pessoas pelos ouvidos e enchem plateias, estádios e prédios.

Timóteo deveria 2) estar pronto para sofrer oposição: as aflições de permanecer fiel à palavra e ao santo ministério dela, pois todos que querem viver de maneira agradável a Deus serão perseguidos, inclusive “em nome de Deus”.

3) Evangelizar: anunciar as boas-novas de salvação aos que nada ouviram dela. Lembre-se: Paulo está demonatrando o modo de Timóteonser modelo. Isto significa que todos os demais cristãos têm esse modelo para ser seguido. Portanto, evangelizar é uma ordem clara e o dever de cada cristão, não só de líderes ou de irmãos mais habilidosos.

4) Servir: todo cristão é também um servo (diácono) de Cristo, e portanto, tem o dever de servir às pessoas atendendo suas necessidades. A igreja é uma comunidade diaconal na qual todo cristão deve exercer seu serviço com a capacitação que Deus distribuiu a cada um segundo a medida da graça dele (Ef 4.7).

Quanto mais nos enchemos do conhecimento da Palavra, tanto mais Deus nos fará conhecer a sua vontade e o caminho que ele quer nos guiar. Esta é a importância de habitar ricamente em nós a Palavra de Cristo. Não é saber os versículos e capítulos decorados (o que é importante por decorrer da intimidade com a Escritura), mas as atitudes e pensamentos que são coerentes com o ensino da Escritura, do evangelho, de um proceder segundo Jesus (Rm 16.17,18; Ef 4.20; Fp 4.9).

Observação: recomendo fortemente a verificação e leitura cuiddosa de cada texto citado ou referido aqui. Averigue por si mesmo.

Continuará na segunda parte deste estudo

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site desenvolvido com WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: